Filtrar por Categoria
Filtrar por categoria

Dicas para o Enem que vão te ajudar a mandar bem na prova

Confira algumas dicas para o Enem que podem te ajudar a se sair bem na prova

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é a principal porta de entrada para o ensino superior brasileiro. Através do Sistema de Seleção Unificada (SiSU), os vestibulandos podem utilizar suas notas na prova de 2019 para concorrerem a uma vaga em mais de 120 universidades públicas. Este ano, mais de 280 mil estudantes ingressaram em uma dessas instituições dessa forma.

E se você quer ser o próximo a conseguir a tão sonhada aprovação no vestibular, precisa conhecer bem esse exame. Saiba mais sobre a estrutura da prova, as principais mudanças da edição 2020 e o que você deve estudar. E confira ainda algumas dicas para ter sucesso no Enem!

 

Como funciona o Enem?

O Enem é dividido em cinco provas, com quatro exames de múltipla escolha e uma redação, que são aplicadas em dois domingos consecutivos. No primeiro dia, os estudantes têm 5 horas e 30 minutos para responder às questões de Linguagens e Códigos e de Ciências Humanas, além de produzir um texto dissertativo-argumentativo. E no segundo dia, os vestibulandos contam com cinco horas para resolverem os testes de Matemática e de Ciências da Natureza.

Cada prova de múltipla escolha conta com 45 questões que, por sua vez, apresentam cinco opções de resposta cada. Esses exames são corrigidos por meio da Teoria de Resposta ao Item (TRI), que prioriza a coerência dos acertos dos candidatos associada ao número de respostas corretas. Isso significa que dois estudantes que acertaram a mesma quantidade de questões normalmente recebem notas diferentes

Já a proposta redacional é corrigida por dois corretores, que determinam, de maneira independente, uma nota de 0 a 200 pontos para cada uma das seguintes competências:

  • Demonstrar o domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa;
  • Compreender a proposta redacional de forma a aplicar conceitos de diferentes áreas do conhecimento no desenvolvimento do tema, dentro da estrutura de uma prosa dissertativa-argumentativa;
  • Selecionar, relacionar, organizar e interpretar as informações, os fatos, as opiniões e os argumentos para a defesa de um ponto de vista;
  • Demonstrar o conhecimento dos mecanismos linguísticos para a construção da argumentação;
  • Elaborar uma proposta de intervenção para o problema apresentado, respeitando os Direitos Humanos.

Desse modo, a nota dos candidatos nessa prova é uma média aritmética da pontuação atribuída pelos examinadores, que pode variar entre zero e mil pontos. Vale destacar que a atribuição de nota zero na redação anula a possibilidade de o vestibulando participar do SiSU.

Alguns critérios que podem levar os corretores a zerarem a dissertação-argumentativa de um candidato são: fuga total do tema proposto; desobediência ao gênero textual indicado; cópia integral de trechos dos textos apresentados nas provas; conteúdo em língua estrangeira; inserção de assinaturas, desenhos, impropérios e rubricas; e apresentação de folha de redação em branco ou com menos de sete linhas.

 

Confira as principais dicas para o Enem

 

Quais são as principais mudanças do Enem 2020?

Devido à pandemia da Covid-19, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia responsável pelo Enem, decidiu fazer uma série de mudanças no exame. A principal novidade está relacionada às datas das provas, que serão aplicadas entre janeiro e fevereiro de 2021. Com isso, os resultados dos candidatos também serão divulgados mais tarde, no dia 29 de março do próximo ano.

Além disso, os aplicadores e os estudantes também precisarão seguir uma série de medidas de segurança relacionadas ao combate do novo coronavírus, que incluem o uso obrigatório de máscaras nos locais de prova. A retirada do item de proteção individual só será permitida para beber água ou se alimentar.

Ademais, a próxima edição do Enem será aplicada em dois formatos diferentes. Nos dias 17 e 24 de janeiro de 2021, o Inep aplicará a versão impressa do exame. E nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro do próximo ano, 100 mil estudantes de 100 municípios farão o Enem Digital, que deverá ser estendido para todos os candidatos até 2026.

Por último, os estudantes diagnosticados com a Covid-19 ou outra doença infectocontagiosa um dia antes da prova poderão participar da reaplicação do exame, nos dias 24 e 25 de fevereiro de 2021.

 

O que estudar para o Enem 2020?

O conteúdo do Enem abrange os tópicos que são trabalhados durante os últimos anos do ciclo escolar, a partir de cinco eixos cognitivos. Durante a resolução das questões, os vestibulandos precisarão demonstrar o domínio dos conteúdos, a capacidade de interpretar diferentes linguagens, como charges, gráficos, tabelas e textos, a habilidade de compreender diversos fenômenos e de enfrentar situações-problema.

Além disso, é fundamental saber quais são os temas mais cobrados em cada disciplina. Pensando nisso, os coordenadores do Colégio Etapa listaram os conteúdos que aparecem com maior frequência no exame e as tendências para a próxima edição. Confira a seguir!

 

Biologia

Segundo Roseli Macedo, coordenadora de Biologia do Colégio Etapa, as questões de Citologia e Ecologia dominaram as últimas três edições do Enem. “Além disso, o nível de dificuldade aumentou. A prova de Biologia está cada vez mais elaborada e contextualizada, incluindo esquemas, gráficos e tabelas nos enunciados. A última edição, por exemplo, trouxe uma questão que falava sobre o estrôncio-90 que exigia conhecimentos sobre bioacumulação, composição química, poluição radioativa e tecidos animais”, explica Macedo.

De acordo com a coordenadora, os temas abordados foram:

  • Botânica: fotossíntese, polinização e movimentos vegetais;
  • Citologia: Biologia Molecular, membrana plasmática, metabolismo energético e organelas citoplasmáticas;
  • Ecologia: ciclos biogeoquímicos, impactos ambientais, interações ecológicas e poluição;
  • Evolução: origem da vida, seleção natural e especiação;
  • Genética: herança ligada ao sexo, linkage e mutações;
  • Imunologia: soros e vacinas;
  • Zoofisiologia: doenças causadas por protozoários, vermes, sistemas digestório e urinário.

Além disso, a professora também destaca quais são as principais tendências para a próxima edição do Enem. “É possível que tenhamos questões sobre biomas brasileiros, viroses, conceito de pandemia e os sistemas circulatório e respiratório, além de outros assuntos que apareceram com frequência nas últimas provas, como Biologia Molecular, impactos ambientais, Imunologia e questões conceituais de genética”, complementa Macedo.

 

Filosofia e Sociologia

Thomas Wisiak, coordenador de Filosofia, História e Sociologia do Colégio Etapa, aponta um aumento de questões ligadas a temas filosóficos e sociológicos no Enem nos últimos anos. Ademais, o professor frisa que a interpretação de texto é fundamental para responder aos testes dessas disciplinas.

“Em Filosofia, a dica é focar as principais correntes filosóficas e em áreas consagradas, como a ética e a epistemologia, com ênfase nas ideias de René Descartes. Já em Sociologia, a sugestão é se dedicar às discussões sobre cultura de massas, etnologia, indústria cultural, política, sociedade e tecnologia, orienta Wisiak.

 

Física

Conforme afirma Fred Uesono Basso, coordenador de Física do Colégio Etapa, os conteúdos relacionados à Eletricidade, Mecânica, Óptica e Ondas dominaram as últimas cinco edições do Enem. “Geralmente, as questões de Física possuem uma boa distribuição dos principais tópicos da disciplina, com pouca diferença entre os últimos exames. Contudo, as características das questões costumam variar, já que o Enem possui uma abordagem ampla e diversificada”, pontua Basso.

Segundo o coordenador, as tendências para essa edição, assim como os temas mais cobrados nos últimos anos, são:

  • Eletricidade: circuitos elétricos, cálculos de corrente elétrica, diferença de potencial e tensão, resistência elétrica, energia e potência;
  • Mecânica: cinemática, estática, dinâmica, mecânica dos fluidos, além de trabalho, energia e potência;
  • Ópticas e Ondas: leis básicas da óptica geométrica e princípio fundamental da ondulatória;
  • Termologia: calorimetria e transmissão de calor.

“Uma dica é dar uma atenção especial aos exercícios que contextualizem os fenômenos físicos e a aplicação de conhecimento científico no dia a dia e na área de tecnologia, sugere Basso.

 

Geografia

De acordo com Paulo Inácio, coordenador de Geografia do Colégio Etapa, os assuntos que apareceram com mais frequência nas últimas edições do Enem foram Nova Ordem Mundial, população brasileira, urbanização e aspectos do mundo contemporâneo, como a questão das fronteiras, o nacionalismo e os blocos econômicos, por exemplo. “Vale destacar que as questões de Geografia costumam ser amparadas por gráficos, mapas ou texto de contextualização, comenta Inácio.

“Acredito que a prova desse ano será mais tradicional, devido a todo o contexto que estamos vivendo. Entre as principais tendências temáticas estão a infraestrutura de transportes, as migrações internas no Brasil e os problemas ambientais, complementa Inácio.

 

História

Thomas Wisiak, coordenador de Filosofia, História e Sociologia do Colégio Etapa, afirma que a prova do Enem costumava ter um predomínio de questões sobre História do Brasil Republicano e História Geral Contemporânea, com destaque para os tópicos nacionais. “Entretanto, o último exame apresentou uma inversão na divisão dos testes, priorizando a História Geral em detrimento da História do Brasil. Além disso, a edição de 2019 promoveu um recuo na linha do tempo, concentrando-se na História Medieval, Moderna e do Brasil Colonial”, explica Wisiak.

“Mas algumas características são consolidadas no Enem. Os enunciados, por exemplo, costumam apresentar textos de apoio que exigem o domínio da cronologia histórica e a identificação de contextos”, destaca Wisiak.

O professor sugere que os estudantes foquem os seguintes assuntos:

  • História Antiga: política na Grécia e em Roma;
  • História Medieval: transformações econômicas, sociais e culturais na Baixa Idade Média;
  • História Moderna: competição entre os Estados europeus, as grandes navegações, a conquista e a colonização da América;
  • História do Brasil Colonial: economia envolvendo o comércio atlântico, de açúcar, de ouro e pecuário;
  • História do Brasil Monárquico: transformações econômicas, sociais e políticas no século XIX;
  • História do Brasil Contemporâneo: política na Primeira República e na Era Vargas;
  • História Contemporânea: Direitos Humanos, inovações tecnológicas, liberalismo, Revolução Industrial e seus desdobramentos.

 

Confira quatro dicas para o Enem e descubra o que deve cair na prova

 

Inglês

Conforme aponta Marcos Guido, assessor de coordenação do departamento de Inglês do Grupo Etapa, a presença de gêneros textuais diversos é a principal característica das questões dessa disciplina. “Embora seja importante ter um domínio do vocabulário e da gramática da língua inglesa, os candidatos precisam ter, principalmente, capacidade de ler e interpretar diferentes textos, como cartuns, letras de música, notícias e poesias, por exemplo”, destaca Guido.

“Por isso, é fundamental estar atualizado quanto aos principais acontecimentos do mundo, buscando informações em diferentes gêneros textuais, como os literários, não-literários e digitais”, reforça Guido.

 

Matemática

De acordo com Fernando Glerean Peters, coordenador de Matemática do Colégio Etapa, os conteúdos que aparecem com mais frequência no Enem são:

  • Análise Combinatória, Probabilidades e Estatística, por meio de questões criativas e contextualizadas;
  • Geometria espacial e plana, com aplicação de conceitos em situações do cotidiano;
  • Porcentagens e proporções, contemplado aumentos percentuais, conversão de medidas, regra de três e interpretação de dados em gráficos e tabelas.

“A prova de Matemática do Enem tem consolidado suas características, cobrando os mesmos assuntos e com uma distribuição similar dos temas nas últimas edições. Por isso, a próxima edição não deve trazer uma mudança significativa. Claro que pequenas alterações podem ocorrer, mas os três temas citados devem continuar dominando o exame”, avalia Peters.

 

Português

Segundo Simone Motta, coordenadora de Português e de Redação do Colégio Etapa, as questões de Linguagens e Códigos costumam apresentar um texto como pretexto para a cobrança de um conhecimento extratexto. “Assim, os candidatos respondem perguntas que exploram a estilística, a gramática, a semântica e noções de Literatura, por exemplo”, explica Motta.

A professora destaca que é fundamental fazer uma leitura atenta dos conteúdos apresentados, de modo a conseguir interpretar textos verbais, não verbais e mistos. Além disso, a coordenadora reforça que os tópicos que mais apareceram nos últimos exames foram:

  • Denotação e conotação: figuras de linguagem, tais como:
    • Fonéticas: aliteração;
    • Semânticas: comparação, gradação, ironia, metonímia, metáfora, personificação e sinestesia;
    • Sintáticas: elipse e hipérbato.
  • Expressões artísticas: sobretudo as artes visuais e a música;
  • Fragmentos de textos literários: trechos em prosa e poesia de autores brasileiros consagrados;
  • Funções da linguagem;
  • Charges e Histórias em Quadrinho (HQs);
  • Mídia em diferentes linguagens: como os infográficos, por exemplo;
  • Questões éticas, morais, sociais e de cidadania: sobretudo em propagandas e campanhas do governo;
  • Variedade linguística;
  • Vocabulário.

 

Química

Conforme análise de Ricardo Szulc, coordenador de Química do Colégio Etapa, a prova de Ciências da Natureza contou com uma boa distribuição do programa dessa disciplina nas últimas edições, com destaque para:

  • Estrutura da Matéria: forças intermoleculares;
  • Físico-Química: cinética química, pilhas e termoquímica, especialmente a Lei de Hess;
  • Química Geral: técnicas de fracionamento de misturas;
  • Química Orgânica: isomeria espacial.

“Também vale destacar a presença de temas interdisciplinares, especialmente ligados a questões ambientais, como a poluição da água, do ar e do solo; o uso de combustíveis fósseis e biocombustíveis; os processos de produção industrial; e as transformações da energia em processos biológicos”, pontua Szulc.

“Acredito que a próxima edição traga uma prova semelhante às anteriores, com predomínio de questões de Estrutura da Matéria e de Físico-Química, mas sem deixar de cobrar os demais tópicos”, complementa Szulc.

 

Redação

Simone Motta, coordenadora de Português e de Redação do Colégio Etapa, destaca que a prova de redação do Enem possui uma característica bastante peculiar em comparação com os outros vestibulares.

Além da escolha por temas que contemplam problemas sociais do país e que fizeram parte do cotidiano brasileiro no ano vigente, esse exame também solicita uma proposta de intervenção. Os candidatos precisam formular uma solução que inclua o agente envolvido, a ação desejada, o modo de torná-la realidade, um detalhamento sobre alguns desses itens e a finalidade dessa proposta”, explica Motta.

De acordo com a professora, o tema da redação do próximo Enem pode contemplar os seguintes assuntos:

  • Consumismo pós-pandemia;
  • Controle da corrupção no Brasil;
  • Controle da obesidade em adolescentes brasileiros;
  • Controle dos problemas econômicos brasileiros;
  • Covid-19, pandemia e quarentena;
  • Cyberbullying;
  • Descarte dos mais variados tipos de lixo;
  • Depressão e suicídios;
  • Ensino a distância (EAD), ensino híbrido e exclusão digital;
  • Evasão escolar;
  • Preconceito linguístico;
  • Prejuízos ao meio ambiente;
  • Relação dos adolescentes com bebidas alcoólicas;
  • Tabagismo e saúde pública;
  • Uso de agrotóxicos;
  • Vacinas, campanhas de vacinação e tratamentos alternativos.

“É importante lembrar que, independentemente do tema a ser proposto, o vestibulando deve redigir uma dissertação argumentativa, com uma proposta de intervenção que resolva os problemas apresentados. Além disso, é importante se atentar ao número de linhas. Não é obrigatório inserir um título na redação, contudo, caso o estudante decida fazer essa inclusão, o mesmo contará como uma linha. Ademais, os candidatos devem ter cuidado para não ultrapassar o limite máximo de 30 linhas”, orienta Motta.

 

Confira quatro dicas para o Enem e descubra como funciona o exame

 

Confira as principais dicas para o Enem

Agora que já apresentamos os conteúdos mais cobrados nas últimas edições do exame e as tendências para o próximo Enem, você deve estar se perguntando como organizar os estudos na reta final para as provas.

Pensando nisso, separamos algumas orientações que podem te ajudar tanto a se preparar melhor nas últimas semanas antes do exame quanto no dia da prova. Confira, a seguir, as principais dicas para o Enem!

 

  • Faça uma autoavaliação:

Antes de definir uma estratégia para a reta final de qualquer vestibular  é preciso avaliar como está sua preparação para os exames que irá prestar. “Os estudantes que não se sentem tão bem preparados devem priorizar os assuntos que aparecem com maior frequência nas provas. Já os candidatos que estão mais confiantes podem estudar conteúdos que são importantes, mas que não caem tanto, o que pode lhes garantir uma vantagem”, orienta Edmilson Motta, coordenador-geral do Colégio Etapa.

 

  • Treine para a prova:

Simular que está prestando o exame é uma excelente estratégia para qualquer vestibulando. “O Enem se caracteriza por possuir uma contextualização entre diferentes conteúdos, o que é bastante desafiador. Para driblar isso, uma dica é resolver questões com textos de apoio longos, que exijam a conjugação das informações do enunciado com o programa das disciplinas”, indica Motta.

Além de testar seus conhecimentos, fazer simulados e resolver provas antigas também contribui para a preparação mental e física, além de permitir que os estudantes conheçam o estilo do exame.

“No primeiro dia, os estudantes lerão textos atrás de textos e ainda terão que fazer uma redação. Já no segundo dia, eles farão cálculos e mais cálculos. Isso faz com que o Enem seja uma verdadeira maratona. E isso pode gerar uma exaustão, prejudicando o rendimento dos candidatos nas provas”, explica Motta.

“Por isso, é fundamental recriar as condições mais próximas possíveis daquelas que serão encontradas nos dias do exame, como as medidas impostas pela pandemia da Covid-19. E no caso do Enem, os candidatos poderão ficar por até cinco horas e meia nos locais de prova utilizando máscaras, o que requer uma preparação”, destaca João Pitoscio Filho, coordenador Pedagógico do Grupo Etapa.

 

  • Dê a devida importância para todas as disciplinas:

Muitos estudantes acreditam que devem focar os estudos nas matérias que dominam. Porém, esse erro pode custar a aprovação no vestibular. “No Enem, a nota final dos candidatos é uma média ponderada das cinco provas. Por isso, não adianta ter um excelente desempenho em um exame e não ir bem em outro, pois uma nota boa não vai compensar o baixo rendimento em uma das provas. Sendo assim, os vestibulandos precisam reconhecer a importância de todas as disciplinas,”, afirma Motta.

Ademais, intercalar as matérias tanto durante a preparação para o exame quanto no dia da prova pode contribuir para o resultado no Enem. “Os estudantes podem resolver as perguntas de um exame por 1 hora e 30 minutos e, depois, fazer o mesmo com outra prova, por exemplo. Isso garante que os candidatos mantenham o foco e a concentração, evitando cometer erros por falta de atenção”, reforça Motta.

Além disso, é importante entender as particularidades de cada prova. “Para a redação, é indicado ler a coletânea de apoio e fazer um esboço das principais ideias antes de redigir. Em seguida, os candidatos podem resolver uma parte de uma das provas de múltipla escolha, deixando para concluir a redação depois. E durante os testes, uma sugestão é ler o enunciado antes dos textos de apoio, para saber exatamente o que buscar para se chegar à resposta”, sugere Pitoscio.

“No caso das provas de Matemática e Ciências da Natureza, uma estratégia interessante é começar pelas questões mais simples, deixando para resolver os testes mais complexos depois. Assim, as chances de garantir uma boa nota aumentam, já que o método de correção do Enem premia a coerência dos acertos”, complementa Pitoscio.

 

  • Mantenha o foco:

Com a aproximação das provas, a ansiedade pode aumentar. Mas é importante controlar o estresse pré-vestibular e manter o foco nos estudos. “Tentar adivinhar o que vai cair nos vestibulares ou qual será o tema da redação pode deixar os estudantes ainda mais ansiosos. O ideal é se concentrar no presente, sem tentar antecipar o futuro, pois as distrações podem fazer os vestibulandos perderem pontos preciosos”, esclarece Pitoscio.

 

Esperamos que essas dicas para o Enem te ajudem a ir bem nas provas! Além de compartilhar as melhores estratégias para esse exame, o Colégio Etapa também oferece a melhor estrutura para seus alunos se saírem bem em outros vestibulares e nos processos seletivos de universidades do exterior. Como resultado, a nossa escola foi o maior destaque da última edição do Enem. Quer saber mais? Então acesse o nosso site.

 

Conheça mais sobre o Colégio Etapa

A importância da educação financeira desde a infância
Posts relacionados

Inscreva-se no blog

Inscreva-se no blog